Gostou do artigo? Compartilhe!

ARTROSE DO JOELHO - GONARTROSE - LESÕES DA CARTILAGEM DO JOELHO

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo
CARTILAGEM ARTICULAR
  Ampliar  

CARTILAGEM ARTICULAR

Uma articulação é formada por dois ossos, que são unidos entre si pela cápsula articular e por outras estruturas, como ligamentos, tendões, meniscos, etc... As superfícies ósseas dentro da articulação são revestidas por cartilagem, um tecido branco brilhante, que forma uma superfície regular e lisa para que os ossos possam se articular entre si. Um líquido transparente e viscoso, chamado de líquido sinovial, é produzido pelas paredes da articulação e funciona como lubrificante e como fonte de nutrientes para a cartilagem.
 
ARTROSE DO JOELHO
  Ampliar  

ARTROSE DO JOELHO

Artrose é o nome que se dá ao processo de desgaste da cartilagem de uma articulação. São inúmeras as causas desse desgaste que, em vários casos, pode chegar ao extremo de ficar osso em contato com osso.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DA CARTILAGEM NORMAL DA ARTICULAÇÃO ENTRE A PATELA E O FÊMUR, NO JOELHO
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DA CARTILAGEM NORMAL DA ARTICULAÇÃO ENTRE A PATELA E O FÊMUR, NO JOELHO

Cartilagem normal, com superfícies regulares e íntegras e a coloração branca típica da cartilagem saudável. As duas superfícies que se articulam são regulares.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE CONDROMALÁCIA PATELAR
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE CONDROMALÁCIA PATELAR

Cartilagem amolecida ( condromalácia ) na patela, vista durante uma artroscopia.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU I
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU I

Lesão de cartilagem grau I na patela, vista durante uma astroscopia.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU II
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU II

Lesão de cartilagem grau II na patela, vista durante uma astroscopia.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU III
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU III

Nota-se o aspecto de fibrilação da cartilagem que está degenerando. Pequenos fragmentos de cartilagem começam a se soltar dentro da articulação. A superfície acometida está irregular e amolecida.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU IV
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA GRAU IV

Nota-se área extensa de exposição óssea na patela. Interessante notar que a lesão está na patela apenas e a cartilagem do fêmur está preservada. Vários fragmentos já se soltaram. Lesão de grau IV.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA E DO FÊMUR GRAU IV
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DA PATELA E DO FÊMUR GRAU IV

Diferente da imagem anterior. Aqui há desgaste da cartilagem na patela e também no fêmur. Lesões grau IV.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DO FÊMUR E DA TÍBIA GRAU IV
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM DO FÊMUR E DA TÍBIA GRAU IV

Nota-se que as duas superfícies - femoral e tibial - estão lesionadas e com importante exposição óssea. Lesões grau IV.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM NA SUPERFÍCIE TIBIAL DO JOELHO
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE UMA LESÃO NA CARTILAGEM NA SUPERFÍCIE TIBIAL DO JOELHO

Nota-se a presença de uma fissura e a cartilagem amolecida ao redor da fissura. É uma lesão de grau III.
 
FRAGMENTO DE CARTILAGEM QUE SE SOLTOU DA PATELA
  Ampliar  

FRAGMENTO DE CARTILAGEM QUE SE SOLTOU DA PATELA

Vista artroscópica de um fragmento de cartilagem que se descolou da patela.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE LESÃO DA CARTILAGEM DO JOELHO
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE LESÃO DA CARTILAGEM DO JOELHO

Aqui vemos vários fragmentos de cartilagem soltos dentro da articulação. Esses fragmentos se soltam das superfícies condrais que estão degenerando.
 
IMAGEM ARTROSCÓPICA DE SINOVITE DO JOELHO
  Ampliar  

IMAGEM ARTROSCÓPICA DE SINOVITE DO JOELHO

O tecido que reveste as paredes internas da articulação é chamado de sinóvia e ela pode ficar inflamada com a presença dos corpos livres de cartilagem e com a exposição óssea. Chamamos de sinovite a inflamação da sinóvia. Na sinovite o tecido sinovial produz maior quantidade de líquido sinovial, o líquido natural que alimenta a cartilagem e lubrifica a articulação. O joelho incha. O excesso de líquido sinovial é conhecido como "derrame articular". Popularmente esse inchaço é chamado de "água no joelho". Em algumas situações, quando o derrame articular é significativo, pode-se fazer uma punção articular. Usa-se seringa e agulha para retirar o excesso de líquido da articulação, popularmente chamado de "retirar água do joelho".
 
LESÃO MENISCAL E CONDRAL DEPOIS DE REGULARIZAÇÃO
  Ampliar  

LESÃO MENISCAL E CONDRAL DEPOIS DE REGULARIZAÇÃO

Lesão meniscal e condral depois de feita regularização, vista durante astroscopia.
 
A DOR É O PRINCIPAL SINTOMA DA ARTROSE, MAS NÃO O ÚNICO
  Ampliar  

A DOR É O PRINCIPAL SINTOMA DA ARTROSE, MAS NÃO O ÚNICO

A dor é o principal sintoma das lesões de cartilagem, mas outros sintomas costumam estar presentes: inchaço, crepitações, deformidades, claudicação, etc...
Apesar de ainda não existir um tratamento efetivo para regeneração da cartilagem que possa ser clinicamente aplicado a todos os pacientes, existem muitos tratamentos possíveis para alívio dos sintomas e para evitar a progressão da doença.
Pacientes com lesões de cartilagem devem procurar consultar um médico especialista para que possam receber todas as informações específicas para o seu caso em particular. Existem várias novidades e tratamentos de última geração.
 
TRATAMENTOS POPULARES
  Ampliar  

TRATAMENTOS POPULARES

Semente de sucupira, unha de gato, semente de abacate, garra-do-diabo, cartilagem de tubarão, cogumelo do sol, gelatina de peixe, canela de velho, chapéu-de-couro, salsaparrilha, rosa-canina, confrei, salgueiro-branco, pimenta Cayenne, freixo, argila medicinal, óleo de andiroba, óleo de alho, amêndoas, levedo de cerveja, gérmen de trigo, semente de mostarda, vinagre, algas marinhas, lama negra, aipo, alfafa, araçá, buva, calêndula, tarumã, cavalinha, velame, dente-de-leão, guiné, caroba, canema, cedro-rosa, paineira, rabanete, caiapó, cloreto de magnésio, estigma de milho, marapuama, gergelim preto, uva ursi, cereja de inverno, melancia, mentrasto, vinagre de maçã, banana, linhaça, ulmária, alecrim, magnetoterapia ( uso de imãs em colchões, almofadas, etc... ) são usados em tratamentos populares para as lesões de cartilagem. Até a injeção de ozônio no joelho tem sido indicada por "especialistas", mas sabemos que todos esses tratamentos populares não são capazes de regenerar a cartilagem hialina que se desgastou.
 
CONDROITINA E GLUCOSAMINA
  Ampliar  

CONDROITINA E GLUCOSAMINA

Essas substâncias foram muito prescritas, num passado recente, para pacientes com lesões de cartilagem. Muitos profissionais, desconhecedores de informações atualizadas, ainda as prescrevem. Inúmeros estudos feitos em diversos lugares concluíram que a condroitina e a glucosamina não ajudam na regeneração do tecido cartilaginoso e que seu uso seria semelhante ao uso de placebo. A AAOS ( American Academy of Orthopaedic Surgeons ) tem uma diretriz de 2013 que recomenda aos médicos não prescrever mais essas substâncias porque não servem para o que é anunciado. Nos Estados Unidos, o FDA considera essas substâncias como suplementos alimentares. Não são considerados medicamentos. São vendidos em qualquer lugar e podem ser comprados por qualquer pessoa.

Veja no link ARTIGOS CIENTÍFICOS alguns artigos e documentos sobre o assunto:

* SUPPLEMENTS FOR OSTEOARTHRITIS - AN UNCONVINCING STORY
* CONDROITINA, GLUCOSAMINA E PLACEBO
* NOTA TÉCNICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE SOBRE CONDROITINA E GLUCOSAMINA

Nos sites das principais sociedades de ortopedia do mundo existem também muitas informações para os pacientes.
 
COLÁGENO HIDROLISADO
  Ampliar  

COLÁGENO HIDROLISADO

Da mesma forma que a condroitina e a glucosamina, vários estudos mostraram que a ingestão de colágeno, ou colágeno hidrolisado, não ajuda na regeneração da cartilagem nem na sua manutenção. Nos Estados Unidos, o FDA considera essa substância como um suplemento alimentar, como a condroitina e a glucosamina. No Brasil é considerado apenas um alimento. Alguns citam "trabalhos científicos" que afirmam que a ingestão de colágeno hidrolisado estimularia a síntese de colágeno em células da cartilagem. Só não citam como isso é possível quando houve desgaste da cartilagem, ou seja, já não existem mais células na cartilagem a serem estimuladas. O fato é que a ingestão de colágeno não significa que o colágeno ingerido vá se incorporar nas cartilagens que estão sofrendo desgaste. Todas as formulações de colágeno existentes no mercado não são consideradas medicamentos, podem ser vendidas em qualquer lugar e podem ser compradas por qualquer pessoa, da mesma forma que você pode entrar num supermercado e comprar uma caixinha de gelatina, que também é colágeno! Interessante notar que em algumas embalagens das fórmulas vendidas no Brasil encontramos a seguinte referência: O Ministério da Saúde Adverte - NÃO EXISTEM EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS COMPROVADAS DE QUE ESTE ALIMENTO PREVINA, TRATE OU CURE DOENÇAS !

Veja no link ARTIGOS CIENTÍFICOS alguns artigos e documentos sobre o assunto:

* EFSA - SCIENTIFIC OPINION: COLLAGEN HYDROLYSATE
 
PRP, CÉLULAS-TRONCO E BPM
  Ampliar  

PRP, CÉLULAS-TRONCO E BPM

No último congresso da AAOS ( American Academy of Orthopaedic Surgeons ), que aconteceu em março de 2014 em New Orleans, nos Estados Unidos, foi dito que PRP ( plasma rico em plaquetas ), BMP ( proteína óssea morfognética ) e células-tronco NÃO FUNCIONAM PARA O TRATAMENTO DE LESÕES DA CARTILAGEM DO JOELHO, bem como não existe, até o presente momento, tratamento efetivo para a regeneração da CARTILAGEM HIALINA que possa ser usado clinicamente nos nossos pacientes de consultório.

No momento os órgãos oficiais ( ANS, ANVISA, CFM, etc... ) consideram esses " tratamentos" como experimentais e por isso eles não constam do Rol de Procedimentos da ANS, motivo pelo qual os convênios não cobrem os custos. Eles só podem ser feitos em pesquisas científicas, dentro de hospitais-escola, seguindo os protocolos do trabalho científico em questão, com autorização da comissão de ética e conhecimento dos órgãos responsáveis. NÃO PODE TER CUSTO PARA O PACIENTE. Fora dessas condições pode caracterizar infração da ética médica e até crime. Desconfie de tratamentos médicos "modernos" que não têm cobertura pelos planos de saúde. Na dúvida, consulte a ANS, ANVISA e o CRM sobre o assunto.

Veja no link ARTIGOS CIENTÍFICOS alguns artigos e documentos sobre o assunto:

* PARECER DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA SOBRE PRP
* RESPOSTA DA ANVISA AO QUESTIONAMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DE JOELHO SOBRE OS TRATAMENTOS COM PRP E A UTILIZAÇÃO DE CÉLULAS-TRONCO PARA USO EM ORTOPEDIA
* PRP - DOES IT REALLY WORKS?
* PLATELET-RICH PLASMA IN ORTHOPAEDIC APPLICATIONS - EVIDENCE-BASED RECOMMENDATIONS FOR TREATMENT
 
PESQUISAS CIENTÍFICAS
  Ampliar  

PESQUISAS CIENTÍFICAS

Inúmeros estudos estão sendo feitos em diversos lugares do mundo. Até o presente momento não se descobriu uma maneira eficiente para regenerar a CARTILAGEM HIALINA. Muitas novidades são esperadas para os próximos anos nessa área. No site da ICRS ( International Cartilage Repair Society ), encontram-se algumas informações sobre o assunto.
 
PESQUISAS CIENTÍFICAS
  Ampliar  

PESQUISAS CIENTÍFICAS

Estudos recentes indicam que a cartilagem, antes de começar o processo degenerativo, começa a perder proteoglicanos da matriz condral. A concentração de sódio na cartilagem tem relação direta com a concentração de proteoglicanos. Na Universidade de Stanford há um estudo onde se usa a ressonância magnética programada para a detecção do sódio nas cartilagens.
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PARA VER A CONCENTRAÇÃO CONDRAL DE SÓDIO
  Ampliar  

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PARA VER A CONCENTRAÇÃO CONDRAL DE SÓDIO

Assim, com bastante antecedência, pode-se ver quais superfícies cartilaginosas irão entrar em degeneração. Como não existe ainda cura para a artrose, há uma corrente de estudiosos pesquisando técnicas para descobrir quais cartilagens irão evoluir para artrose, para que seja instituído um tratamento precoce que impeça ou retarde a evolução da doença. Muitos estudos estão em curso em diversos centros de pesquisa no mundo e muitas novidades devem surgir nos próximos anos.
 
VISCOSSUPLEMENTAÇÃO ARTICULAR
  Ampliar  

VISCOSSUPLEMENTAÇÃO ARTICULAR

Não existe ainda um tratamento definitivo para a artrose que seja capaz de reverter o desgaste da cartilagem. Vários estudos estão em andamento pelo mundo todo e esperamos que uma solução melhor do que as que temos agora estejam disponíveis em breve. Os tratamentos conservadores, ou seja, aqueles que não precisam de cirurgias, existentes no momento, têm a finalidade de aliviar os sintomas – a dor é o mais importante deles – e retardar a evolução da doença.
Dentre as várias possibilidades de tratamento conservador atualmente disponíveis para o tratamento da artrose existe a viscossuplementação. É uma técnica terapêutica que consiste em infiltrar numa articulação artrósica um medicamento de alta viscosidade que irá melhorar o ambiente intra-articular, aliviando a dor e retardando o desgaste da articulação. O medicamento é semelhante a um gel e funciona como se fosse um lubrificante, diminuindo o atrito entre as superfícies em contato, o processo inflamatório e a dor.
 
MEDICAMENTOS PARA VISCOSSUPLEMENTAÇÃO
  Ampliar  

MEDICAMENTOS PARA VISCOSSUPLEMENTAÇÃO

São diversos os medicamentos existentes hoje no mercado para a viscossuplementação articular. Estudos mostraram que aqueles que apresentam maior peso molecular têm melhor efeito e durabilidade. Alguns desses medicamentos chegam a ter peso molecular de 6 milhões de daltons. Felizmente já temos alguns desses produtos disponíveis no nosso meio. Os melhores são todos importados.
 
ALTA VISCOSIDADE
  Ampliar  

ALTA VISCOSIDADE

Os medicamentos utilizados para a viscossuplementação têm alta viscosidade. Quanto mais viscoso, melhor o efeito e a durabilidade depois da aplicação.
 
INFILTRAÇÃO DO JOELHO
  Ampliar  

INFILTRAÇÃO DO JOELHO

A infiltração articular é um procedimento rápido e relativamente simples, que pode ser feito em ambiente ambulatorial, na maioria das vezes com anestesia local e sempre utilizando-se as técnicas assépticas. Depois da aplicação o paciente pode andar normalmente. É recomendado apenas evitar grandes esforços por uns 3 dias.
É importante que o paciente consulte um médico especialista que possa lhe orientar em relação aos melhores tratamentos para cada caso. A viscossuplementação pode ser uma alternativa para um número grande de pacientes com lesões condrais.
 
ARTROSCOPIA DO JOELHO
  Ampliar  

ARTROSCOPIA DO JOELHO

Muitos casos de lesões de cartilagem podem precisar de tratamento cirúrgico, para limpeza da articulação, retirada de fragmentos condrais soltos, regularização das lesões, microfraturas, mosaicoplastia, realinhamento patelar, etc... Hoje a maioria das cirurgias de joelho podem ser feitas através de uma técnica moderna chamada vídeoartroscopia, ou simplesmente ARTROSCOPIA como conhecemos.

São feitas duas mini-incisões, uma de cada lado do joelho, não maiores do que 5 mm cada. Por um desses orifícios o médico introduz o artroscópio, um instrumento óptico que é acoplado a uma câmera e que transmite as imagens de dentro da articulação, ampliadas e em alta resolução, para um monitor de vídeo. Pelo outro orifício são inseridos os instrumentos cirúrgicos artroscópicos, que permitem ao cirurgião tratar as lesões.
 
PRÓTESE DE JOELHO
  Ampliar  

PRÓTESE DE JOELHO

Nos casos onde todos os tratamentos conservadores e intervenções menos invasivas, como a artroscopia, não surtem efeito, indica-se a cirurgia para colocação de uma prótese - a artroplastia. As superfícies onde houve o desgaste da cartilagem são preparadas e uma prótese, feita de liga metálica + polietileno, é colocada no lugar. Geralmente é o último recurso. A indicação principal é a dor que não melhora mais com os tratamentos.
 
AAOS - AMERICAN ACADEMY OF ORTHOPAEDIC SURGEONS
  Ampliar  

AAOS - AMERICAN ACADEMY OF ORTHOPAEDIC SURGEONS

A AAOS é a Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos, que reúne os ortopedistas americanos e também os melhores ortopedistas do mundo. É muito intenso o calendário de atividades. É enorme o número de publicações, estudos, etc...
 
ISAKOS - INTERNATIONAL SOCIETY OF ARTHROSCOPY, KNEE SURGERY AND ORTHOPAEDIC SPORTS MEDICINE
  Ampliar  

ISAKOS - INTERNATIONAL SOCIETY OF ARTHROSCOPY, KNEE SURGERY AND ORTHOPAEDIC SPORTS MEDICINE

A ISAKOS é a sociedade internacional que reúne os médicos ortopedistas especialistas em artroscopia, medicina esportiva e cirurgia do joelho. A sede fica no estado da California, nos Estados Unidos. Promove constantemente diversas atividades para os seus membros.
 
ICRS - INTERNATIONAL CARTILAGE RESEARCH SOCIETY
  Ampliar  

ICRS - INTERNATIONAL CARTILAGE RESEARCH SOCIETY

A Sociedade Internacional de Pesquisa da Cartilagem - ICRS - é a entidade que reúne pesquisadores de diversas áreas e médicos que estudam a cartilagem. Tem sede em Zurique, na Suiça, e promove diversas atividades científicas para os seus membros.
 
SLARD - SOCIEDAD LATINOAMERICANA DE ARTROSCOPIA, RODILLA Y DEPORTE
  Ampliar  

SLARD - SOCIEDAD LATINOAMERICANA DE ARTROSCOPIA, RODILLA Y DEPORTE

A SLARD é a Sociedade Latinoamericana de Artroscopia, Joelho e Traumatologia Esportiva, que reúne os melhores especialistas latino-americanos.
 
SBOT - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA
  Ampliar  

SBOT - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

A SBOT é a sociedade nacional que reúne todos os ortopedistas do Brasil.
 
MÉDICO ESPECIALISTA E HOSPITAL DE GRANDE PORTE
  Ampliar  

MÉDICO ESPECIALISTA E HOSPITAL DE GRANDE PORTE

Nos casos onde há indicação cirúrgica é importante que o paciente escolha um médico especialista em ORTOPEDIA, CIRURGIA DE JOELHO e TRAUMATOLOGIA ESPORTIVA para fazer a sua cirurgia. Os melhores especialistas estão constantemente se aprimorando em cursos e congressos no exterior, trazendo ao paciente o que há de mais moderno e as novidades em técnicas cirúrgicas, implantes e instrumentais de última geração. Também é recomendado que o paciente escolha fazer a sua cirurgia num hospital de grande porte, com todos os recursos disponíveis para que a cirurgia seja realizada com segurança e tranqüilidade, garantindo assim sempre os melhores resultados cirúrgicos.
 

Autor

Dr Adriano Karpstein

Dr Adriano Karpstein

Medicina Esportiva, Ortopedista e Traumatologista

Especialização em Cirurgia de Joelho, Traumatologia Esportiva e Cirurgia Artroscópica no(a) Hospital de Clínicas - Universidade Federal do Paraná.